Na trilha do sucesso

A toada, elemento literomusical na brincadeira de Boi-Bumbá, exerce a função de fio condutor do espetáculo apresentado na arena do Bumbódromo. Na ilha tupinambarana ganhou estrutura própria e uma linha poética distinta com sua pluralidade simples, cabocla e amazônica. Nestes termos podemos definí-la como sendo a música do caboclo de origem popular, feita  por uma gente morena numa festa cabocla de alma indígena. Na última década a toada incorporou novos elementos, assumindo seus traços nordestinos e “aflorado” o seu lado afro.

A toada é a matéria-prima que dá corpo e formato ao chamado “Boi de Arena”. O compositor, por sua vez, é a gênese deste processo de criação inspirada na visão de mundo e de contexto,  na sensibilidade afetiva e racional, na criatividade entre versos e acordes, além do talento entre o pensar e o emocionar em proporção equânime.

Com a definição dos repertórios para o Festival Folclórico de Parintins 2019, o P. P traz alguns destaques deste “menu” musical  tendo como base os números obtidos por algumas obras. As fontes de coletas foram o Soundcloud e a fanpage deste portal no Facebook.

 

Garantido

Na plataforma digital de streaming de música duas obras 2019 atingiram o topo das audições: “Caboclitude” “Meu Nome é Povão”

screenshot_20190110-111240_soundcloud

“Caboclitude”, é a “queridinha da internet”, ou seja, a mais ouvida pela galera vermelha e branca através do aplicativo atingindo 2.055 audições. De composição de Rafael Marupiara, Rubens Alves, Alex Kimura e Náferson Cruz, a toada concorreu em 2017 para o CD 2018 chegando até a final no curral Lindolfo Monteverde quando perdeu a vaga para “Consciência Negra” de Paulinho Dú Sagrado. Para concorrer este ano os compositores trabalharam na qualidade vocal e musical da obra, a qual  defende que somos todos caboclos, independente de qual posição geográfica que  estamos inseridos e não só aquele que vive no mato. Do indivíduo que leva na alma e no coração seu jeito caboclo de ser  neste vasto torrão de muitos “brasis”.

20190110_103740

À esquerda: Rafael Marupiara; À direita: Náferson Cruz e Alex Kimura

Do quarteto, dois são compositores experientes e de muitos sucessos no festival: Rafael Marupiara, professor de geografia, sócio compôs em parceria com “Ronaldinho” Barbosa as toadas “Fera de Fogo”, “O Vaqueiro”, “Matawi Kukenan”, “O Couro dos Espíritos” dentre outras) e Náferson Cruz, jornalista, compôs “Aquarela da Amazônia”, “Inhangorom”, “Xamãs Yekuana”, “Aeon Xamanístico”, “Baniwa – Guardiões do Mundo”, para citar. E a dupla de estreantes: Alex Kimura (de família tradicional, sócio, batuqueiro e fisioterapeuta) e Rubens Alves (sócio, torcedor, jornalista e funcionário público Federal. Profundo conhecedor e detentor de um dos maiores acervos audiovisuais do Festival de Parintins, foi produtor do programa “Taberna da Toada” na TV Cultura do Amazonas, além de ex assessor de comunicação do Boi Garantido. O jovem compositor lançará em breve um livro contando as histórias do Festival e das apresentações de Caprichoso e Garantido na arena do Bumbódromo.

img-20190108-wa0105

Rubens Alves

“Meu Nome é Povão” alcançou 2.033 audições, e surge como o “xodó” da Baixa do São José é já  desponta como um dos hits da temporada, além de ser forte candidata a toada do Festival (pelo lado rubro da “força”!).

Segundo seus compositores a toada foi composta na intenção de resgatar um sentimento [de amor; de paixão]  que se estava com saudades de sentir, sendo todos torcedores e amantes da musicalidade do Garantido e admiradores dos poetas da antiga e da nova geração. Queriam compor algo que instigasse o sentimento que quando criança e brincantes, na batucada, sentiam ao executarem as grandes obras imortais do boi, e nesse sentido reuniram a história de cada um pra expressar na toada.
A cada verso, cada rima se concretizava, ao som de um cavaquinho e uns batuques na palma da mão, a vivência nas brincadeiras de boi, pelos boizinhos de escola. Inspiração para poetizar elementos autênticos e característicos da toada do Garantido. O saudosismo e a herança musical de Jaercio Anselmo (músico e entusiasta da tradição dos antigos poetas)  , Neilor Anselmo (sobrinho do compositor Alceo Anselmo do grupo Canto da Mata) Bruno Bulcão (filho do compositor Nelson Bulcão) e Ricardo [Gadelha] Filho (filho do Ricardo Gadelha sócio fundador do Garantido) resultou  nesta obra.

img-20190109-wa0009

Bruno Bulcão, Jaercio Anselmo, Ricardo Gadelha e Neilor Anselmo

O grupo de amigos começou fazendo toadas, uma delas escolhidas em 2018, para o Boi Espalha Emoção (boi da zona rural de Parintins, no Distrito do Mocambo).

A última toada a ser anunciada no curral Lindolfo Monteverde, “Meu Nome é Povão” foi ovacinada pelos presentes no lugar e por àqueles  que acompanhavam através da live oficial do bumbá no Facebook.

 

Caprichoso

Pelo lado azul da Ilha, duas toadas, seus clipes para ser mais exato, destacaram-se na fanpage do Portal de Parintins. Trata-se de “Heróis do Brasil” dos compositores Moisés Colares, Raurison e Frank Azevedo e “Matriarca” do compositores César Moares, Diego Silva e Sandro Santos.

Em primeiro lugar no portal, “Matriarca” atingiu impressionantes 379 compartilhamento, alcançando 44.707 pessoas. A obra de César Moares em parceria, um mestre da toada que coleciona muitos sucessos em ambos dos bois, como por exemplo: “Coração de Torcedor”, ” Sou a Toada”,  “Nasci pra ser Vermelho”, “Eu Te Amo Caprichoso”, “Filhos da Mundurukania”, “Minha Selva de Cantos Selvagens” – só pra citar alguns – é a excelência simples e bem construída de recortes de memórias da matriarca da família: sua vida, luta, batalhas e amor. Na emocionante, profunda e sagrada relação de entre mãe e filho. Um clássico!

20190110_030723

“Heróis do Brasil” obteve maçicos 240 compartilhamentos, alcançando 51.208 pessoas. Obra que retrata a formação do caboclo, indivíduo representativo com suas influências étnicas, culturais e sociais, um herói que  luta para um país mais justo, igualitário e que respeite os direitos de sua gente. A trinca azulada emplacou em 2018 a toada sensação da temporada, a “Boi de Negro” – dispensa apresentações – Competência e talento não faltam ao trio e pelo que demonstram os números o sucesso o persegue. Além de “Heróis do Brasil” emplacaram outra toada no repertório 2019: “Dança dos Tuxauas”.

20190110_030654

Da parceiria, Moisés Colares é músico profisisonal, compõe a banda oficial do Boi Caprichoso no Bumbódromo.

img-20190110-wa0037

Da esquerda para à direita: Raurrison Nascimento, Moisés Colares e Frank

Obs: Tosos os números correspondem até o fechamento desta matéria.

Fotos: Divulgação e Reprodução / Facebook