Alegorias do Caprichoso chegam à concentração do Bumbódromo

Operação logística chega ao número de 200 colaboradores, entre paikicés, coordenadores e voluntários

“Estamos realmente gigantes esse ano, tanto em tamanho, quanto em quantidade de alegorias. É uma aposta, um desafio, que requer empenho e muita dedicação. Vamos nos superar nas três noites. Estamos preparados para colocar em prática nosso planejamento”. A declaração do diretor de arena do Boi Caprichoso, Ito Teixeira, é um convite a todos para sentir o trabalho dos artistas na concentração do Bumbódromo, uma prévia de como o bumbá vai brigar pelo título de bicampeão do Festival Folclórico de Parintins em 2018.

São 165 paikicés, os conhecidos empurradores de alegorias do Caprichoso, estão envolvidos na operação logística de translado das alegorias desde a tarde de segunda-feira, 25. “O volume de trabalho cresceu em tamanho e quantidade. Com isso aumentam as dificuldades, mas com antecedência, os artistas e todos nós enxergamos pontos que, dentro do galpão, passam despercebidos. É importante chegar cedo na concentração, porque cria-se espaço para melhorar a finalização do trabalho”, explica Ito Teixeira.

Conforme o diretor de logística e concentração do Caprichoso, Zandonaide Bastos, guindastes, empilhadeiras e plataforma aérea elevatória auxiliam na montagem dos módulos. “Até sexta-feira, colocamos toda a primeira noite e parte da segunda para montarmos e testarmos as alegorias, antes de colocar em formação para entrada na arena”, adianta. De acordo com o diretor de galpão e coordenador do translado, Jofre Lima, a operação logística chega ao número de 200 colaboradores, entre paikicés, coordenadores e voluntários.

Caprichoso na concentração - Crédito - Glenda Dinely (3)Caprichoso na concentração - Crédito - Glenda Dinely (2)Caprichoso na concentração - Crédito - Glenda Dinely (1)

Fotos: Glenda Dinely