Por dentro dos galpões de alegorias de Caprichoso e Garantido

Em visita aos galpões do Boi Caprichoso na manhã desta segunda-feira (26), o Portal de Parintins realizou um tour pelas alegorias do bumbá de estrela na testa para a disputa do festival de 2017. Antes de adentrar no galpão, uma parada no coração artístico e estratégico do touro negro, o Conselho de Artes, onde a única recomendação foi a de não fazer imagens das alegorias. Nossa guia pelo local foi a assessora de imprensa Josene Araújo.

Se a primeira impressão é a que fica, ficou: as alegorias do Caprichoso surpreendem e chamam atenção pela grandiosidade e acabamento.

As estruturas alegóricas concebidas pelos artistas da Francesa e do Palmares que irão compor a cenografia do espetáculo “A Poética do Imaginário Caboclo” surpreende pela proporção e pelo acabamento das peças cujo esmero nos mínimos detalhes chama à atenção. Devido o gigantismo das alegorias foi preciso o bumbá pavimentar uma área “morta” para receber uma de suas lendas, a “Templos de Ouro” do artista Márcio Gonçalves.

Gonçalves foi o primeiro artista a falar de sua alegoria para o PP. A estrutura é composta de monumentos da era pré-colombiana, em alusão a lendária cidade dourada do Eldorado, de onde surgirá a cunhã-poranga a ser oferecida a deusa Guatavita ressurgindo em uma serpente alada de cinco cabeças em um cenário todo amazônico. Perguntado sobre a temporada sua resposta foi: “Primeiro parabenizar o Babá [presidente do Caprichoso], esse cara ousado. Já trabalhei com outros presidentes, mas ele tem outra linha, não põe dificuldade e nos deixou a vontade. A nação azul e branca pode aguardar por um grande trabalho”, ressaltou. Sobre a expectativa para o festival o artista foi enfático: “Não gosto de criar expectativas com o que eu faço, mas virão grandes surpresas. Será uma alegoria para ficar na história do festival, tenho certeza disso.”.

Kennedy Prata, estreante como artista de ponta, assina um dos mais impressionantes rituais dentro do galpão, o “Kuped Yep”. Segundo o artista, a proporção de sua obra é 32 metros de frente por 20 metros de profundidade e atingindo 19 metros de altura com movimentos e efeitos. Duas coisas são de encher os olhos na alegoria: a pintura e os enormes morcegos. Considerado como o mago da pintura conta com o auxílio de uma equipe composta por jovens talentos nessa área: Maguilenilce, Felipe, Andrey e o Breno). “Não se faz um boi dessa grandeza sozinho, dedico e agradeço esse resultado a minha equipe e à Nação Azul e Branca. Agradecer ao presidente que me procurou, conversou e me resgatou. Foi uma questão de honra retornar ao Caprichoso, mostrar que sou um grande profissional, mostrar pra nação que tem um novo artista com novas ideias para lutarmos pelo título do Boi Caprichoso.”, disse Prata.

Um dos nomes mais respeitados dos galpões, Júnior de Souza estava muito feliz com o resultado de seu trabalho e do boi como todo. Assinando o ritual da primeira noite, “O Cativo”, também chama a atenção pela grandiosidade, à estrutura alegórica mede 40 metros de boca de cena (parado) por 19 metros de profundidade chegando a 25 metros de altura nas evoluções de alguns dos modelos passando aquela estrutura metálica do Bumbódromo”, revelou Souza. “A gente contou com uma equipe de 18 colaboradores, realmente talentosos de soldadores, escultores, pintores de arte, modeladores. Uma equipe grandiosa e valorosa”, concluiu orgulhoso. Pablo de Souza, filho do artista, segue na equipe trabalhando em todas as etapas do processo de criação, montagem e execução assegurando o legado do nome de seu genitor consagrado.

Neizinho Meireles assina a alegoria “duas em uma” sendo no primeiro momento Figura Típica e no segundo, exaltação folclórica de onde surgirá a Sinhazinha da Fazenda. “Barro, Fé e Catedral” serve de contexto para a alegoria que possuí quinze módulos trabalhados com materiais da região, totalmente artesanais, possuindo 32 metros de boca de cena por 28 metros de profundidade e atingindo 19 metros de altura. “Tive o privilégio de ir aos estaleiros, entrei de cabeça nesse trabalho e graças a Deus consegui ter uma equipe muito boa que me ajudou nesse trabalho. Uma mão de obra qualificada e muito competente onde cada um entende de uma coisa. É uma confiança muito grande para a arena, uma proposta diferente do Conselho de Artes e a gente procurou apostar em algo que não foi visto no Bumbódromo”.

Outra figura típica do Boi da Estrela é assinada por Glaucivan Oliveira relatando o monumento Cine Teatro Brasil fundado por Elias Assayag, pai de Simão Assayag, trazendo um mix de figuras da região: pescador, farinheiro, mateiro, seringueiro, canoeiro e etc. A alegoria mede 14 metros de profundidade por 36 metros de boca de cena atingindo 12 metros de altura. A cenografia do DVD deste ano é assinada pelo artista que conta com grandes profissionais em sua equipe composta por 20 pessoas entre aderecista, pintores, escultores e etc. “Sabemos que o Caprichoso sempre inova, as alegorias do boi estão bonitas. O Caprichoso vem com inovação tanto em movimento quanto em aparição sempre fazendo o diferencial. Todo mundo está esperando o melhor e terá, claro, o melhor. Toda a galera do Boi Caprichoso pode esperar, o povo de Parintins em sí pode esperar inovação do Boi Caprichoso para esse ano e pode ter certeza vamos dar um show na arena e seremos campeões!”, finalizou.

Garantido

Já em visita aos galpões da Baixa do São José, na Cidade Garantido, o PP foi recebido pelo casal Mencius Melo e Chris Reis, assessores de imprensa do bumbá. Em busca do bicampeonato, o Boi Garantido e sua Comissão de Artes apostam na padronização da pintura artistas, no volume e no talento de seus artistas.

Rogério Azevedo assina a figura típica regional “Caboclo do Amazonas” que retrata o cotidiano caboclo, mas ao mesmo tempo nós demos uma inovada. A estrutura alegórica conta com enormes aquários nas laterais mostrando o fundo do rio e sobre ele o contexto amazônico, além de cinco grandes canoas com as culturas cultivadas pelo caboclo e um ser aquático central. Toda a estrutura mede 15 metros de profundidade por 30 metros de boca de cena alcançando 15 metros de altura. Sua equipe é composta por 23 artistas. “Esse ano foi melhor um pouco do que ano passado, que a gente passou por aquela crise e recuperação. Mas, graças a Deus nos temos uma equipe boa e por estarmos sempre no eixo Rio-SãoPaulo buscamos sempre o melhor pintor, soldador, aderecista para que resulte no que você está vendo aqui.”, salientou Azevedo. “Só o artista não tem esse poder de montar uma alegoria, ele precisa de uma boa equipe, de boa mão de obra. Esse ano fui muito feliz em poder montar essa grande equipe, pessoas que metem a mão na massa como eu gosto de fazer”, finalizou.

Assinando a lenda amazônica do Ipupiara, o artista Sorin Senna promete arrebatar o coração da galera vermelha e branca na busca do bicampeonato. Em meio ao corre-corre do translado dos seus módulos da Cidade Garantido para a Praça dos Bois, ele falou com o P.P. Composta por seres aquáticos que se destacam pela beleza plástica e pela pintura artística é resultado do trabalho de uma equipe que o artista prefere chamar de família. Composta por 20 pessoas experientes que ao se unirem em Parintins casam essas experiências e ideias em conjunto. A estrutura mede 30 metros de boca cena por 22 metros de profundidade alcançando 19 metros de altura. A peça principal, o Ipupiara, erguerá com movimentos faciais impressionantes. “Eu só tenho que agradecer minha segunda minha, não chamo de equipe porque tenho todos eles como irmãos. Esse trabalho é fruto de muita dedicação e emprenho. A Nação Vermelha e Branca pode aguardar um espetáculo de lenda na arena do Bumbódromo.” O artista desconversa, mas segundo os ensaios técnicos será nessa lenda que surgirá a Rainha do Folclore Isabelle Nogueira em uma das noites.

Também em trabalho solo este ano, Pingo de Souza assina o ritual “Pajé dos Pajés” que aborda a transcendência de cura. A estrutura alegórica possui 32 metros de boca de cena por 20 metros de profundidade e chegará a 20 metros de altura. De uma responsabilidade muito grande em estrear em um trabalho solo, sendo este um ritual o artista respondeu: “Eu trabalho com 20 pessoas que trabalham comigo há três anos quando comecei como artista de ponta formei uma equipe boa que está comigo até hoje. São guerreiros, na verdade a gente [artista] não faz sozinho. Podemos ser a mente, mas eles [a equipe] são os nossos braços e dão essa força total para chegar lá na arena e dar o nosso melhor contribuindo com a vitória do Garantido”. O artista manda seu recado para a Nação Vermelha e Branca: “Nação do meu boi campeão, do meu coração podem esperar não só de mim, mas como de todos os artistas muito empenho para fazer um boi lindo e grandioso na arena. O Garantido está preparado para disputar as três noites do festival, podem guardar grandes surpresas e se depender de mim, da minha equipe e dos demais colegas será bicampeão.”, finalizou.

Para Roberto Reis, coordenador da Comissão e Artes do Boi Garantido, o bumbá irá aposta muito na plástica, em um boi gigante como não se via em há outros anos. Imponte foi a palavra usada por Reis para definir o boi no geral, as tribos e fantasias. E avisa: “Não se consegue entender muito porque é tudo desmontado, mas na hora que o Garantido montar [na Praça dos Bois] vem muito bonito”.

Reis  aponta o diferencial do bumbá de coração na testa para este ano: “O Garantido vem pé no chão, vem centrado naquilo que vai fazer. Nosso tema está muito bem amarrado, o Fred como sempre arrebentando e o Garantido tem um objetivo de ser bicampeão. Estamos fortes e focados no título do boi, então acho que o essencial de tudo é a união que faz a nossa força, vamos fortes [pra arena]. O Garantido quando parece que está baquiado, mas não. Na hora ele resolve, vem e surpreende, bonito, grande vocês poderão comprovar isso.”.