A criação do mundo na visão Dessana

Ao contrário de outras cosmogonias[1], como a bíblica, o mito do povo Dessana é o que mais se aproxima da concepção científica proposta pela física quântica: como a teoria da grande explosão inicial, que na versão Dessana é a aparição fabulosa de Yebá-Buró em seu clarão de quartzo no meio do vazio.

      Quando não havia nada e as trevas cobriam tudo, uma mulher, Yebá-Buró, fez a si mesma. Na sua morada de quartzo, enquanto mascava ipadu e fumava cigarro, começou a pensar em como deveria ser feito o mundo. Criou cinco trovões imortais, seus irmãos a quem incumbiu de criar o mundo, a luz, os rios e a futura humanidade. Esses trovões seriam os quatro elementos: fogo, terra, água e ar, e a partir da união desses, um ente mágico: Ëmëko Sulãn Palãmin, o neto do mundo, dono de toda beleza e que traz nos olhos a força do coração.

      Yebá-Buró deu-lhe a ordem de fazer as camadas do universo e a futura humanidade. Ëmëko furou o céu com sua lança e, dessa fissura, brotou um raio de sol tão forte que criou os bichos, plantas, ventos e tempestades, e toda forma de vida. Assim, do mito da criação do mundo da etnia Dessana surge a humanidade que habita até hoje as matas, os beiradões e rincões da região amazônica.

                  A visão indígena é diferente da relação dos cientistas atuais, porém, semelhante à dos cientistas de séculos passados que estudavam o céu no sentido de acompanhamento para auxiliar a sobrevivência. Para os indígenas, que não possuíam escrita (eram ágrafos), a sociedade e o cotidiano eram regulados pelas constelações, tal como o sol e a lua. De modo que as informações adquiridas na regularidade das constelações, ajudavam a determinar a época das larvas comestíveis, dos animais de caça e das festas rituais e religiosas. Portanto, tudo é coordenado pelo céu, e a “a terra é o reflexo deste céu. 

                          Por Djane Senna, consultora tributária por obrigação, produtora artística por vocação, chef diletante, fanática por doces, cinéfila de paixão, romântica incorrigível, que acredita que a liberdade e o amor caminham juntos.

[1] 1. Corpo de doutrinas, princípios (religiosos, míticos ou científicos) que se ocupa em explicar a origem, o princípio do universo; cosmogênese.

  1. 2. Conjunto de teorias que propõe uma explicação para o aparecimento e formação do sistema solar.